Best in Show 2017

Se alguém tivesse passado o ano em coma e acordado só agora com vontade de ver TV, a primeira série que eu recomendaria binge watch seria a excelente The Handmaid’s Tale (Hulu), seguida de Big Little Lies (HBO). As duas são adaptadas de livros de autoras de bestsellers, cada uma em seu tempo, e que hoje vivem um pequeno renascimento. Na TV, Big Little Lies, é um alívio de se ver: gente bem vestida, trilha ótima, locações incríveis. This Is Us, em sua segunda temporada ficou mais escura mas não menos bem escrita.  Game of Thrones ficou mais grandiosa, sem ligar a mínima para roteiro mas cada vez mais veículo de cultura pop. Depois viriam as comédias inglesas e inteligentes, como a genial Catastrophe, na terceira temporada, e Fleabag, que foi lançada no ano passado, mas qualquer um deveria ver de novo. Gostei muito de Mindhunter (Netflix) e de Manhunt (Discovery), The Americans (AMC) sempre foi boa, a israelense Fauda foi uma ótima surpresa. Mas quanto à qualidade do roteiro, da história, da consistência de personagem, tema e tudo mais: Better Call Saul (AMC) continua imbatível, sendo que um episódio em particular nesta temporada, Chicanery, chegou a ser shakespeariano!