Why We Need to Pick Up Alvin Toffler’s Torch

This article was published in the NYTimes in July, in Farhad Majoo’s column, a week after Alvin Toffler died.

06state-master768

More than 40 years ago, Alvin Toffler, a writer who had fashioned himself into one of the first futurists, warned that the accelerating pace of technological change would soon make us all sick. He called the sickness “future shock,” which he described in his totemic book of the same name, published in 1970.

In Mr. Toffler’s coinage, future shock wasn’t simply a metaphor for our difficulties in dealing with new things. It was a real psychological malady, the “dizzying disorientation brought on by the premature arrival of the future.” And “unless intelligent steps are taken to combat it,” he warned, “millions of human beings will find themselves increasingly disoriented, progressively incompetent to deal rationally with their environments.”

Mr. Toffler, who collaborated on “Future Shock” and many of his other books with his wife, Heidi, died last week at 87. It is fitting that his death occurred in a period of weeks characterized by one example of madness after another— a geopolitical paroxysm marked by ISIS bombings, “Brexit,” rumors of Mike Tyson taking the stage at a national political convention and a computer-piloted Tesla crashing into an old-fashioned tractor-trailer. It would be facile to attribute any one of these events to future shock.

Yet in rereading Mr. Toffler’s book, as I did last week, it seems clear that his diagnosis has largely panned out, with local and global crises arising daily from our collective inability to deal with ever-faster change.

All around, technology is altering the world: Social media is subsuming journalism, politics and even terrorist organizations. Inequality, driven in part by techno-abetted globalization, has created economic panic across much of the Western world. National governments are in a slow-moving war for dominance with a handful of the most powerful corporations the world has ever seen — all of which happen to be tech companies.

But even though these and bigger changes are just getting started — here come artificial intelligence, gene editing, drones, better virtual reality and a battery-powered transportation system — futurism has fallen out of favor. Even as the pace of technology keeps increasing, we haven’t developed many good ways, as a society, to think about long-term change.

Look at the news: Politics has become frustratingly small-minded and shortsighted. We aren’t any better at recognizing threats and opportunities that we see emerging beyond the horizon of the next election. While roads, bridges, broadband networks and other vital pieces of infrastructure are breaking down, governments, especially ours, have become derelict at rebuilding things — “a near-total failure of our political institutions to invest for the future,” as the writer Elizabeth Drew put it recently.

In many large ways, it’s almost as if we have collectively stopped planning for the future. Instead, we all just sort of bounce along in the present, caught in the headlights of a tomorrow pushed by a few large corporations and shaped by the inescapable logic of hyper-efficiency — a future heading straight for us. It’s not just future shock; we now have future blindness.

“I don’t know of many people anymore whose day-to-day pursuit is the academic study of the future,” said Amy Webb, a futurist who founded the Future Today Institute.

Stuart Goldenberg Credit Stuart Goldenberg

It didn’t have to come to this. In the 1950s, 1960s and 1970s, as the American government began to spend huge sums in the Cold War, futurists became the high priests of the coming age. Forecasting became institutionalized; research institutes like RAND, SRI and MITRE worked on long-range projections about technology, global politics and weaponry, and world leaders and businesses took their forecasts as seriously as news of the present day.

In 1972, the federal government even blessed the emerging field of futurism with a new research agency, the congressional Office of Technology Assessment, which reviewed proposed legislation for its long-term effects. Futurists were optimistic about lawmakers’ new interest in the long term.

“Congressmen and their staffs are searching for ways to make government more anticipatory,” Edward Cornish, president of the World Future Society, said in 1978. “They’re beginning to realize that legislation will remain on the books for 25 or 50 years before it’s reviewed, and they want to be sure that what they do now won’t have an adverse impact years from today.”

But since the 1980s, futurism has fallen from grace. For one thing, it was taken over by marketers.

“‘Futurist’ always sounded like this weird, made-up, science-fiction term,’” Ms. Webb said, even though in its early years, people were doing deep, nuanced research on how various tech and social movements would shape the world.

Futurism’s reputation for hucksterism became self-fulfilling as people who called themselves futurists made and sold predictions about products, and went on the conference circuit to push them. Long-term thinking became associated with the sort of new-agey “thinkfluencers” who hung out at TED and Davos, and who went by names like Shingy and Faith Popcorn. Futurism became a joke, not a science.

The end of the Cold War and a rise in partisan political interests also changed how lawmakers saw the utility of looking at the future. In the Reagan years, many on the right began to see the government as the cause of most of the nation’s ills. The idea that the government could do something as difficult as predict the future came to be considered a ridiculous waste of money.

Newt Gingrich has long been enamored of science fiction — he wants to build a moon base. But when Mr. Gingrich, a Georgia Republican, became speaker of the House in 1995, he quickly shut down the Office of Technology Assessment. The government no longer had any place for futurists, and every decision about the future was viewed through the unforgiving lens of partisan politics.

Of course, the future doesn’t stop coming just because you stop planning for it. Technological change has only sped up since the 1990s. Notwithstanding questions about its impact on the economy, there seems no debate that advances in hardware, software and biomedicine have led to seismic changes in how most of the world lives and works — and will continue to do so.

Yet without soliciting advice from a class of professionals charged with thinking systematically about the future, we risk rushing into tomorrow headlong, without a plan.

“It is ridiculous that the United States is one of the only nations of our size and scope in the world that no longer has an office that is dedicated to rigorous, nonpartisan research about the future,” Ms. Webb said. “The fact that we don’t do that is insane.”

Or, as Mr. Toffler put it in “Future Shock,” “Change is avalanching upon our heads and most people are grotesquely unprepared to cope with it.”

 

uma carta de Caio F encontrada ao acaso

Sampa, 18 de abril de 1985.

Marilene,
te escrevo na máquina da Em Volta (Galeria), cerca de 13h30m. Tudo meio vazio, vim entregar minhas matérias, fiquei fazendo a página de culinária (este mês:peixes), a patroa está em Tóquio (coitada!). Neste momento, o boy acaba de me entregar um pacote de livros. Global: Oba, veio a Katherine Mansfield!
Ouvi hoje várias vezes: você está com a cara tão boa! S’as que Marilene desespera, mas não perde o tino, não? Entre duas cachoeiras de lágrimas, sempre há espaço para um pouquinho de creme Nívea. Achas que a frase anterior poderia servir para um campanha publicitária Nívea? Ganharíamos literalmente potes de creme. Você não quer produzir?
Ontem fiquei assistindo Camelot na TV. Marilene, descobri: tudo que preciso é de um Sir Lancelot na minha vida. Mais ainda se tivesse a cara do Franco Neroaos 30 anos. Fantasias, como vês, não faltam. Faço um pouco de hora para assistir Dublê de orpo, de Brian de Palma.
Abobrinha 1 (conte para C.):
S’as qual seria a manchete da Folha de S.Paulo de terça-feira?
Esta: “Risoleta magoada com frieza de Tancredo”.
Abobrinha 2 (somente para iniciados):
Abobrinha 2a. S’as o que o Caio Fernando disse quando viu o Jaburu do
outro lado da calçada?
— Como é que eu estou do outro lado, se estou aqui?
Abobrinha 2b. S’as o que o Jaburu, do outro lado da calçada, fez quando viu
o Caio Fernando Abreu? Gritou: — Jaburú-ú!
Ai, ai.
Tenho uma história medonha pra te contar. Recebo na secretária eletrônica um recado de Tania von Faillace, que está em SP para o tal congresso de datilógrafos. Texto: “Estou em SP e quero muito te ver. Estou preocupada com a tua saúde. Telefone tal, beijos Tania.” Outra, recebo um bilhete de Lya Luft. Texto: “Me disseram que não andas muito bem de saúde, Fico preocupada, manda notícias.” Eu, caraminholando, lógico. Ontem telefonema de Zé Márcio. Texto:
Zé — Zé Fissura te ligou do Rio?
Eu — Sim, mas há umas duas semanas.
Zê — Ontem ou hoje não?
Eu — Não. Por quê?
Zé — Bem, é que ele ligou aqui pra casa ontem querendo saber se era
verdade que você está com AIDS. Diz que todo mundo em Porto Alegre só fala
nisso.
E então, Marilene, que achas? Estou me sentindo a própria Rita Lee, careca por causa das aplicações de cobalto. Haja, não? Fiquei na minha, mas putíssimo. Você não acha um pouco baixo-astral demais? A peste. Imagina se começassem a espalhar que pessoas gordas dão câncer. Pois é mais ou menos assim que me sinto. E o pior, quero dizer, melhor, é que Marilene está absolutamente saudável (supõe,
claro). Bem, bem.
Hoje me convidaram para outra tournée pelo interior, além de Presidente Prudente. Podia ser Araçatuba (achas que é de Tôro?), São José dos Campos ou Ribeirão Preto. Escolhi a última, não sei, mais sensual, terra de Mário Prata, Leilah Assunção — imaginaste as noites de Ribeirão Preto? E os ribeirões de Ribeirão Preto?
Medo: Sergião ameaça abrir falência e me comunica que TALVEZ eu (?) tenha que sustentá-lo durante no mínimo um mês. Botei as mãos nas cadeiras e não disse nada. Mas pode? Cá entre nós: poooooooooooooooooooooooooooooooode?
As vezes penso em voltar para a Pavuna.
Pausa, pausa. Sumiê, a secretária japa, me conta que anda doente do coração — tipo a soufle au coeur: ela tem uns 25 anos. Aí entra Natália e me conta que a semana que vem tem que operar um cisto-no-ovário. Minha guia de Oxum faz uma falta…
Mas ai, ai. Marilene, venha me visitar. Está tudo tão direitinho naquele puta apê. Hoje recortei um anúncio de liquidação de camas & colchões. Amanhã fico rico e vou lá ver. Hoje quero comprar Um homem só, de Christopher Isherwood — li o Adeus a
Berlim e, paixão! É algo meio Jonh Fante, meio Salinger — não chega aos pés, claro, é mais seco, mais viril, mas tão bonito. Quando você vier, leva outra mala de livros.
Já leste carta tão besta?
Pois é, vai saindo. Nas minhas obras póstumas, você jura que elimina as mais imbecis?
A solidão às vezes é tão nítida como uma companhia. Vou me adequando, vou me amoldando. Nem sempre é horrível. As vezes é até bem mansinha. Mas sinto tão estranhamente que amor acabou. [.. .] Repito sempre: sossega, sossega —
o amor não é para o teu bico.
Aftas desapareceram. Homeopata tranqüiliza — foram ótimas, cosas que tinham que sair pra fora. Notei sensível diminuiçã em gânglios (lovely gânglios). Não consigo mais me sentir com AIDS.
Tás na linha? Alô, alô? Chamei Telesp: trocaram o aparelho. Mas é questã do Sergiã voltar de Curitiba, ter outra discussã e jogar o aparelho no chã. Como de hábito. Marilene, sou tão bonzinho, simpático, talentoso, prestativo, amável, delicado e carinhoso. Marilene: a que tenta preservar sua auto-estima a qualquer custo.
Dulce me invade a cabeça. Anoto, anoto. Ainda não comecei de sola. Mas vai nascer. Fico todo grávido e imediatamente me vêm caixas de Domecq na cabeça. O problema mais grave é que Dulce bebia mesmo era gim. Acho que ela se parecia com Tonia Carrero. E era Leo/Tôro ou Tôro/Leo, com uma Lua em Pêxes.
Mas é isto. Me vou à luta. Voltei a dormir no chão: coluna tri. S’as o que Jaburu respondeu para o psicanalista quando este perguntou por que ele tinha ido lá: — Não parece ÓBVIO? E caiu em prantos. Um dia talvez o Jaburu renda uma boa historinha para kids. Ainda. Se Dodeacedro na CAL implica em direção de Nara Keiserman, a resposta definitivamente é NÃO!
Kisses para Maria Clara, Nina, Angela e Betty. Mais para Marilene.
Caio F.

Pausa. Pausa. Pausa.

Noite, 23h25m.
Não tive tempo de colocar no correio. Estou continuando em casa. E tanto pra dizer. Estou de cabeça feita exatamente no ponto em que gosto: recebi uma grana, cara (200 paus de uma coluna sobre livros num jornal de… Medicina). Bueno, aí jantei no Longchamp — o Longchamp me dá um prazer, um gostinho de estar em Sampa… — comi: uma lasanha (Marilene andava mal alimentadíssima,
pooooooobre) com meia garrafa de vinho tinto, depois cafés e um licor de Strega (eles têm cálices belíssimos).
Vim descendo a Augusta. Marilene, estou todo INTENSO. Minha epígrafe agora seria: “Pode deixar que eu seguro”.
Foi me dando uma sensualidade bebendo aquele Strega flambado… Lambi os beiços, deixei descer devagar pela garganta, depois de molhar toda a boca por dentro. Continuo depois o capítulo Strega.
Jacq-ueline
[À margem: Descobri: o perigo do teu nome é esse cq que lembra… Dome-cq!],
emergi hoje. Ah, pobre Marilene, a passional… Sofri tanto, fiquei de cama, sabias? Pois hoje emergi calçando salto 15, ombros muito para trás, porte ereto e saia justíssima. Nariz arrebitado. Pisando duro. Pensam que vão acabar comigo?
Nunca. Marilene foi às compras — como é uma intelectual, no fundo, comprou outro Isherwood — essa paixão vai me levar à ruína — e o final daquela Dons Lessing/Martha Quest. Marilene depois foi ao Arroz de Ouro, comprou potes de mel, incenso de verbena e um pote enorme de propolina. Saiu correndo para o cinema, a tempo de ver Dublê de corpo e — ah! — imagine um filme punk-pornô. E fantastish! Tem uma atriz pornô — Holly, que fez o famoso Holly does Hollywood — um voyeur claustrófobo e um videoclipe numa buceteria punk que Marcia Fellacio e
The Vagina Dentatas não imaginariam mais, Vá correndo ver. E perversíssimo e absolutamente do Mal. Qualquer coisa na linha daquele Fome de amor (era isso?) com Bowie/Deneuve, mas com muito swig.

Voltei & Sergião rides again. Gosto imensamente dele. Confesso: tenho um fraco por Sergião. NADA deu certo em Curitiba, claro. Ouvi 300 mil
histórias de Como a Humanidade é Calhorda e Está a Fim de Enlouquecê-lo (todo o PLANETA está envolvido num complô para destruir Sergião), depois fiz a Pollyana, servi chá com pão integral e mel, acendi um incenso e me postei vendo Teresa Fonseca em sua nova fase. Ela vai vencer! […]
Marilene tocou-se então para o Longchamp, já citado.
Novidade: Dulce, na verdade, só bebe Strega. Flambado. E é dada a premonições, daí minha idéia da Lua em Peixes. Me forjarás esse mapa? Te darei maiores dados na seqüência, imagino que Dulce teria agora por volta de 50/55 anos. Procurei os maxilares de Dulce toda a tarde na cidade. Mas o problema é: em que direção Dulce terá se transformado?
Pausa megalômana: Marilene, eu vou escrever um excelente livro. Quero esse clima de decadência total do filme de Brian de Palma. Quero rasgos de lirismo tão incoerentes no meio da lama que cheguem a soar absurdos, com momentos de loucura. Tenho TUDO na cabeça. Tremo de pensar. E fico meio bêbado. E não meto mãos à obra. As notas se acumulam. Mas vai, vai.
Hoje tomaria um porre de conhaque com você. Um porre lúcido. Fomos FEITOS para tomar porres de conhaque um com o outro.

No rádio, Gil começa a cantar “amigos presos, amigos sumidos assim, pra nunca mais”. Sempre me dá vontade de chorar. No Longchamp lembrei do seu Wico Cardoso (essa é do Passo de Guanxuma). Eu achava ele lindo quando eu era criança. Era muito pálido, tinha pêlos muito pretos. Casado com Dona Irene Cardoso, que minha mãe ODIAVA porque um ano ela bateu Nair na lista da 10 mais, e pai de Nádia Cardoso, que também era linda — parecida com ele — mas tinha pés enormes. Aos 13 anos, devia calçar 40. Bem, lembrei que seu Wico se
matou. Ninguém sabe por quê. Faz anos. Ele teria pouco mais de 40 anos, regulava com meu pai.
Fiquei pensando nessas coisas e lembrei duns versos de Bob Dylan, que me vieram em português — não sei em inglês, nem de que canção seriam: “Se eu quisesse, poderia enlouquecer/sei tantas histórias terríveis”. Algo assim.
Strega me deu saudades de Pedro. Tomávamos litros de Strega. Em Caxambu, ele procurou desesperadamente uma garrafa de Strega. Diz que quem toma junto nunca se separa. Estou fazendo um esforço, sim, estou agora fazendo um esforço. Mas — Marilene babaca — aquele monólogo de Teresa hoje sobre o amor que sente por Osmar… Eu gostava muito dele, das mãos, dos pés, do hálito (mau), dos dentes (escuros), de tudo qu

e era lindo e de tudo que era feio nele.
Fantasiei telefonemas. Hesitei entre ir ao Açougue tomar mais um conhaque e vir para casa. Vim. A secretária no zero. Mas não vou ceder. Foi a ultima paixão. Paixão é o que dá sentido à vida. E foi a última. Tenho certeza absoluta disso.
Agora me tornarei uma pessoa daquelas que se cuidam para não se envolver. Já tenho um passado, tenho tanta história. Meu coração está ardido de meias-solas. Sei um pouco das coisas? Acho que sim. Tive tanta taquicardia hoje. Estou por aí, agora. Penso nele, sim, penso nele. Mas não vou ceder. Certo, certo: ninguém tem obrigação de satisfazer ao teu desejo, pela simples razão de que você supõe que teu desejo seja absoluto. Foda-se seu desejo, ora. Me dói não ter podido mostrar minha face. Me dói ter passado tanto tempo atento a ele — quando ele
nunca ficou atento a mim. E eu passei tanta coisa dura. Rita Lee canta “são coisas da vida”. Meu embalinho vai passando, o gosto do Strega persiste na boca. Hoje senti alguns impulsos tipo tesão, corpo fisico. As vezes é tão estranho ser uma
pessoa. A gente é.

Amanhã chega meu som. Penso com que música inaugurá-lo. E quanto mais penso, mais chego à conclusão de que nada mais indicado do que Se eu quiser falar com Deus, com Elis, claro. Tenho tentado aprender a ser humilde. A engolir os nãos que a vida te enfia goela abaixo. A lamber o chão dos palácios. A me sentir desprezado-como-um-cão, e tudo bem, acordar, escovar os dentes, tomar café e continuar. Não há de ser em vão, Jacqueline (Marilene, a veemente), tenho certeza que não há de ser em vão: só se manter vivo em 1985 já quer dizer alguma coisa,
certo? Sinal que tens tutano, guria. E alguém há de recompensar isso, de alguma forma ou não, não sei — mesmo que seja tudo aleatório e estejamos aqui jogados como bactérias no corpo doente do planeta.

Hoje achei tão lindo. Ontem tinha conversado por telefone com Rubinho — me contou, com dificuldade, da loucura (ganhou alta) e de como foi duro se afastar e perder a linguagem comum à comunicação entre os ditos normais. Hoje passei numa livraria e vi o livro dele, exposto, primeiro dia à venda. Me deu um orgulho. A contracapa é minha. Fui lá ver é aquilo ali. Aí folheei e, inesperadamente, dei de
cara com a biografia dele. Diz assim, no fim “E fã de Marilena Chauí e Caetano Veloso. Conhece pessoalmente Caio Fernando Abreu e Fauzi Arap.” Me deu um orgulho, um sim-vale- a-pena-e-vamos-nessa. Tenho tido — neste meu processo de recuperar a auto-estima — uns surtos
de qualquer coisa como tá-bom-de-alguma-forma-conquistei-algum-espaço-faço-oque- quero-e-até-digo-coisas. Ontem vieram umas meninas me entrevistar para uma trolha de faculdade. Umas cinco, extremamentes tímidas e bobonas. Uma delas tinha uma chama maldita. Foram-se. Meia hora depois, campainha: a maldita. Voltou “não sei por quê, não consigo ir embora”. Ficou batendo papo. Chama-se Margareth, é geminiana e pela hora e cara (ruiva) ascendente Leo, 20 anos. Deus, 20 anos. Hoje quando acordei tinha recado dela na secretária: “Liguei só pra dizer que achei você lindo e que foi importante estar aí.” Bethania começa a cantar Ronda. Dói. E adoro essa dor de Sampa. Margareth mora com os pais em São Bernardo — o pai é metalúrgico — e acha que o Pérsio do Pela noite mudou a cabeça dela.
Meeeeeeeeeeeeeeeeeeeedo.
Mas é isso. “Porém, com perfeita paciência/ sigo a te buscar / hei de encontrar.” Quis morrer de novo, engoli outra rejeição — mas estou vivo e, sinto muito, vou continuar.
Te quero imensamente. Meu coração bate forte.
Caio F

metafiction

I have started to generate my reader. “The fly on the wall, the curious, the corporate, any given giant looking in through the glass to find my soul. Because you have made him or her be. He or she is the hit on this blog, where I list my musings in the universe of pop culture, media and the intimate self. At the same time I struggle with the idea of being the narrator of a fictional story. The fact that I am building my narrative in life, narrating my musings online makes me a fictionist. Do I truly have the ability to see through the mirror? Or am I daydreaming and delusional?

I, the author start writing about you the reader. You the reader-given the enormous amount of text at your fingertips online and the possibility of playing a game with me about returning to human settlement…whatever that is…. start writing cutting and pasting what you would like to read from keywords. In doing this you are authoring me to the dystopic middle landscape.

Lifespan, lifescape, lifestyle, and game. I read about the human experiment of 5,000 years and in any fictional character I hear my voice. It’s the social fiction that makes me transport myself into the story. Like blogging or tweetering. I cannot lose touch with my sensibilities and perform to my writing. I feel daunted because nothing really matters when you are just the narrator. Ignorance is bliss. Silence is bliss. But voicing out my thoughts is part of my self.