Best in Show 2017

Se alguém tivesse passado o ano em coma e acordado só agora com vontade de ver TV, a primeira série que eu recomendaria binge watch seria a excelente The Handmaid’s Tale (Hulu), seguida de Big Little Lies (HBO). As duas são adaptadas de livros de autoras de bestsellers, cada uma em seu tempo, e que hoje vivem um pequeno renascimento. Na TV, Big Little Lies, é um alívio de se ver: gente bem vestida, trilha ótima, locações incríveis. This Is Us, em sua segunda temporada ficou mais escura mas não menos bem escrita.  Game of Thrones ficou mais grandiosa, sem ligar a mínima para roteiro mas cada vez mais veículo de cultura pop. Depois viriam as comédias inglesas e inteligentes, como a genial Catastrophe, na terceira temporada, e Fleabag, que foi lançada no ano passado, mas qualquer um deveria ver de novo. Gostei muito de Mindhunter (Netflix) e de Manhunt (Discovery), The Americans (AMC) sempre foi boa, a israelense Fauda foi uma ótima surpresa. Mas quanto à qualidade do roteiro, da história, da consistência de personagem, tema e tudo mais: Better Call Saul (AMC) continua imbatível, sendo que um episódio em particular nesta temporada, Chicanery, chegou a ser shakespeariano!

 

Now Genre

A riqueza de talento que encontrei no Primeiro Programa de Roteiristas da Globosat e o comprometimento da empresa em amadurecer o mercado de produção de ficção foram minha maior motivação para trabalhar no desenvolvimento da comédia “Meu Amigo Encosto” para o Viva e a série dramática “O que Dizem Seus Olhos” para o GNT. Moro fora do Brasil há 17 anos e a pedido da Globosat, desde Julho estou conduzindo dois writer’s rooms em São Paulo, desenvolvendo as duas primeiras séries que saíram de nosso Primeiro Programa de Roteiristas.
O trabalho em writer’s rooms (em tradução literal: Sala de Roteiristas) é decisivo no sucesso de uma série de ficção. É onde um grupo de diferentes estilos, gostos e experiências se reune para pensar exclusivamente em personagens e enredos. Sob comando de um show-runner, que dá unidade e consistência à série, a colaboração, a crítica e o aperfeiçoamento é constante. É na sala que temos uma mini amostra da audiência. É de lá que sai um sucesso.
Começamos da mesma maneira nas duas Salas: estudando referencias, assisistindo centenas de séries diariamente, analisando scripts e jogando idéias na roda. Depois vieram personagens, backstories, plots e um “estacionamento” de idéias. Muito se pensou, escreveu e se jogou fora. Só em “Meu Amigo Encosto” começamos do zero umas três vezes. Escrever, como diz McKee, é reescrever.
Com um grupo muito experiente e outro nem tanto, o maior desafio que encontrei foi fazer que os rotieristas entendessem que precisam escrever “de dentro para fora”, ou seja, vestir a pele da personagem e deixa-la falar por si própria. Personagem vem antes de enredo. Conceitualmente parece fácil. Não é.
E assim passamos os últimos 5 meses. Lapidamos personagens e aperfeiçoamos enredos, rimos, brigamos, nos criticamos e nos aplaudimos… Sempre com o mesmo objetivo: ter uma série genial. Todos na sala sabem como pensam, falam, vivem e comem nossas personagens. Já podemos tratar todos — Corina, Guilherme, Thais, Ari, Evandro, Ivan, Janjão, Rosi, Yolanda, Clint, Neiva — pelo primeiro nome. O resultado é maravilhoso.

101 Best Written Series Ever

d4808d4648         Hoje o WGA tem um red carpet em Beverly Hills para seu ‘hall of fame’ de roteiristas, listando as 101 séries de TV mais bem escritas nos últimos 70 anos. A escolha foi feita por votação de todos os membros do WGA. Espera-se ver Norman Lear, Carl Reiner, Steven Bochco, Gail Parent, James . Brooks, Merrill Markoe, Winnie Holzman, Ronald D. Moore, Matthew Weiner, Steven Levitan, Vince Gilligan, David Shore, Terence Winter, Jason Katims, Bill Odenkirk, D.C. Fontana, Mike Scully, e muitos mais. To be eligible, shows had to be in english and couldn’t be written by a single writer. Deadline is making a fuss about the sponsor, TV Guide. Well, someone had to, no? Haven’t we seen countless Top 100’s of comedies and dramas and horror pics? Well, let them pay the bill for the red carpet. Voting was for members only. The special tribute event at the Writers Guild Theater and exclusive live webcast will be presented on WGA.org

Writer’s Room, the Show

sundance_originals_560
Sundance Channel e a revista Entertainment Weekly vão estrear um programa inteiramente dedicado a roteiristas de TV. The Writers’ Room será parte talk-show, parte mesa redonda com os mais talentosos roteiristas da atualidade, revelando segredos de suas séries, decisões difíceis que tiveram de tomar, erros, etc. No programa, roteiristas de várias, incluindo Breaking BadDexterGame of Thrones e American Horror Story, Parks and Recreation e New Girl. Quem apresenta é o roteirista de “The Descendants” e ator de Community, Jim Rash.  6 x 30’. Estréia em 29 de Julho.

Writer’s Room

HARG7441copy_a_l
Uma das conclusões mais importantes e diferenciadas de nosso Programa de Desenvolvimento de Roteiristas na Globosat foi a de que nenhum roteirista trabalha sozinho.  Este é o segredo das séries de sucesso americanas: o writer’s room, ou seja, as “salas de roteiro”, reuniões em que toda equipe de roteiristas se reúne para discutir e defender cada cenas tendo como único objetivo o sucesso da série. Este mês, quando os estúdios apresentam os novos programas para o mercado publicitário americano e canais estrangeiros,  o Hollywood Reporter  dedicou uma edição inteira a roteiros e num editorial reuniu o writer’s room de séries de grande sucesso na TV, como Arquivo X, Buffy, Murphy Brown e The Shield. Todos os integrantes daquelas equipes eventualmente se tornaram criadores de outras séries de igual ou maior sucesso. Como foi o caso de Howard Gordon, que começou com Arquivos X,  que é a foto aí de cime, depois veio 24 e agora é responsável por Homeland.  E tantos outros…
The writer’s room photo ed of the Hollywood Reporter is a classic already!